Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ucb.br:9443/jspui/handle/123456789/9916
Type: Monografia(Graduação)
Title: Cognição e política externa: o processo de construção da identidade inglesa a partir do poder naval
Author(s): Mota, Lucas de Sousa
First Advisor: Queiroz, Fábio Albergaria de
Summary: A construção da política externa britânica, desde o período Tudor, foi sendo moldada por meio de sua evidente vocação naval. Por meio de tal característica, os britânicos conseguiram atingir e defender os seus interesses no continente europeu da maneira com que lhe fosse favorável. Utilizando-se de tal ferramenta para aplicar a diplomacia de equilíbrio de poder quando lhe fosse conveniente, o controle das rotas comerciais marítimas e uma superioridade bélica das demais potências européias até a Primeira Guerra Mundial, sendo então, o poder naval, uma orientação perene na construção da política externa britânica. Diante da evolução marítima, sendo ela vista por meio de acontecimentos históricos como, por exemplo, a Batalha de Trafalgar e Waterloo, a construção de uma imagem inglesa como rainha dos mares, em que, essa imagem foi sendo repassada hereditariamente em diversos períodos históricos, se consolidando, assim, em uma identidade naval inglesa de supremacia continental. Logo, é analisado neste trabalho, a maneira com que essas imagens foram capazes de influenciar as decisões do Homem de Estado, onde, essa construção identitária está ligada à construção de tomadas de decisões feitas pela Grã-Bretanha ao longo dos séculos, sendo, então, possível observar por meio das variáveis cognitivas o impacto que o tomador de decisão pode ter na formulação da política externa inglesa e a maneira com que o poder naval e as imagens auxiliaram nessa construção de identidade britânica.
Abstract: The construction of the British foreign policy, from the Tudor period, was being shaped through its evident naval vocation. Through this feature, the British were able to achieve and defend their interests on the European continent the way it was favorable to them. Using such naval tool to apply the balance of power diplomacy when it was convenient, the control of maritime trade routes and a disproportionate military superiority to the other European powers until the First World War. Faced with this sea evolution, it is seen through historical events such as the Battle of Trafalgar and Waterloo, the construction of an English image as queen of the seas, were this image was being passed hereditarily in various historical periods, consolidating in the English Nation a continental naval identity of supremacy. Therefore, it is analyzed in this work, the way these images were able to influence the men of State’s decisions, where this identity construction is linked to the process of decision makers of the Great Britain over the centuries, then it can see through cognitive variables the impact that the decision maker can have in shaping British foreign policy and the way in which the naval power and the images helped in the construction of British identity.
Keywords: Relações internacionais
Politica externa
Poder naval
Winston Churchill
CNPq: CNPQ::OUTROS::RELACOES INTERNACIONAIS
Language: por
Parents: Brasil
Publisher: Universidade Católica de Brasília
Institution Abbreviation: UCB
Department: Escola de Humanidades, Negócios e Direito
Program: Relações Internacionais (Graduação)
Citation: MOTA, Lucas de Sousa. Cognição e política externa: o processo de construção da identidade inglesa a partir do poder naval. 2015. 61 f. Monografia (Graduação em Relações Internacionais) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2015.
Access Type: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.ucb.br:9443/jspui/handle/123456789/9916
Document date: 2015
Appears in Collections:Relações Internacionais (Graduação)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LucasMotaTCCGRADUACAO2015.pdfMonografia(Graduação)1.46 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.